Chefia de fiscalização da Justiça Eleitoral desconhece ordem para vasculhar sala de professor da Universidade Estadual do Norte Fluminense;

O reitor da Universidade Estadual do Norte Fluminense, Luiz Passoni, divulgou um alerta nesta segunda-feira (22) orientando a comunidade universitária a não receber pessoas que se apresentem como fiscais do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ), que não estejam acompanhadas de funcionários da instituição. CONFIRA: 

Fonte: Uenf

Na última semana, homens que se passaram por fiscais do TRE-RJ vasculharam a sala do professor do curso de políticas sociais, Marcos Pedlowski, sem apresentação de mandado judicial. Três homens, um deles de colete e dois à paisana, chegaram a pretexto de apurar denúncias de eventuais ilícitos eleitorais e uso partidário das instalações para campanha política, mesmo o professor não sendo filiado a partidos políticos. Um dos homens estava armado e usava coturno de militar.

Pedlowski, que também é periodista do Portal VIU!, atualmente, está  em atividades voluntárias de pesquisa na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, em Portugal.

No comunicado, o reitor da Uenf afirma que ao procurar informações junto a chefia da fiscalização eleitoral, foi informado que não havia denúncias envolvendo a universidade, assim como não foi determinada diligências na instituição.

Recentemente, ao escrever sobre o incidente em sua página no Facebook, Pedlowski foi interpelado por um homem identificado como Matheus Machado. Ele se apresentou como fiscal do próprio TRE,  negando a realização de operação de fiscalização oficial na Universidade e acusou o professor de propagar “fake news”.

O Portal VIU! estará encaminhando informações sobre, mais este, incidente à Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP), com sede em Miami-EUA. A entidade tem se notabilizado por enfrentar e denunciar, juntos aos organismos internacionais, perseguições contra periodistas no mundo. Em março deste ano,  a entidade emitiu nota oficial manifestando repúdio contra o assédio judicial  contra a revista VIU! e Portal VIU!. Para a entidade, “trata-se de uma aparente retaliação ao jornalismo investigativo sobre irregularidades na administração pública”. Na ocasião, a Associação Nacional de Jornais (ANJ) também manifestou repúdio contra as tentativas de cerceamento ao exercício do jornalismo das plataformas VIU!.

*Agência VIU!

 

Comentários

comentários