Roubo com uso de dinamite evidencia a situação de descaso com a universidade; explosão poderia ter gerado uma catástrofe;

Mal tinha publicado uma postagem sobre a situação catastrófica em que o (des) governo Pezão optou por colocar a Universidade Estadual do Norte Fluminense, fui informado via rede social de mais um furto ocorrido na madrugada deste sábado (28) no campus Leonel Brizola. A novidade de mais esta ocorrência foi o uso de dinamite por parte dos ladrões.

Em que pese esta ação ter tido efeitos mínimos sobre a infraestrutura da agência do Bradesco que foi alvo do ataque dos ladrões, este é um desdobramento bastante preocupante em vários aspectos. O primeiro é que no prédio em que a agência está localizado existem vários laboratórios que utilizam gases com forte potencial explosivo. Tivesse a explosão sido mais forte, poderíamos estar neste momento frente a um evento de graves proporções e com consequências incalculáveis.

RISCOS DE RADIAÇÃO

O segundo aspecto que mais esta ocorrência levanta é a possibilidade de que algum ladrão incauto acabe adentrando áreas onde existam materiais radioativos ou mesmo onde estão estocados agentes bacteriológicos que são utilizados em pesquisas em andamento na Uenf. Se isso ocorrer poderemos ter a repetição do evento do Césio 137 que ocorreu em Goiânia em 1987.

Agora é preciso que se diga que os responsáveis diretos por essa situação são o (des) governador Luiz Fernando Pezão, e os (des) secretários Gustavo Tutuca e Gustavo Barbosa que são os responsáveis pela inexistência de segurança patrimonial na Uenf neste momento.

Por último, cabe perguntar por onde anda o Ministério Público do estado do Rio de Janeiro que em face dos repetidos eventos de danos ao patrimônio público ainda não entrou em campo para obrigar que o (des) governo Pezão aja de forma responsável para garantir que os campi e unidades isoladas da Uenf não continuem sendo alvo da ação livre e cada vez mais ousada de ladrões.

Comentários

comentários