Fundos Públicos milionários querem derrubar Mark Zuckerberg da presidência do Facebook; Leia e saiba mais:

Foto: Charles Platiau/Reuters

Um grupo de poderosos fundos públicos deu aprovação a uma proposta de acionistas do Facebook para remover Mark Zuckerberg de seu cargo de presidente do conselho de administração da empresa.

Os tesoureiros estaduais de Rhode Island, Illinois e Pensilvânia, bem como o controlador de Nova York, sinalizaram seu apoio à proposta, que foi apresentada pela primeira vez em junho pela acionista do Facebook, Trillium Asset Management, que detém uma participação de US$ 11 milhões nas gigantes de mídias sociais.

O Fundo arquivou a proposta após um desastroso início de ano para o Facebook, marcado por escândalos de privacidade e queda de estoque. A solicitação enfatiza que Facebook divida os papéis de CEO e presidente para afrouxar o controle de Zuckerberg sobre a empresa.

A proposta acusou Zuckerberg de lidar incorretamente com as controvérsias, e pediu que o executivo de 34 anos renunciasse à presidência. Trillium também citou a disseminação de desinformação na plataforma e seu uso por extremistas para promover a violência em Mianmar como razões para a proposta.

“Uma diretoria independente é essencial para tirar o Facebook dessa confusão e restabelecer a confiança com americanos e investidores”, disse Scott Stringer, auditor de Nova York, em comunicado divulgado na quarta-feira.

Stringer supervisiona o fundo de pensão da cidade, avaliado em US$ 195 bilhões, incluindo 4,7 milhões de ações do Facebook. Os tesouros da Pensilvânia e Rhode Island detêm 38.737 e 168.203 ações da empresa, respectivamente.

O desenvolvimento de quarta-feira (17) é provavelmente simbólico, já que Zuckerberg ainda detém a maior parte das ações do Facebook, dando-lhe 59,9% de poder de voto. No entanto, tal movimento coloca pressão sobre Zuckerberg. Na proposta de junho, os investidores descreveram a resposta de Zuckerberg aos escândalos de privacidade  “evasivos”  e seu governo sobre a empresa como o de um  “ditador do século XIX”.

No ano passado, um movimento para derrubar Zuckerberg, que contou com o apoio de 51% dos investidores independentes, foi derrotado, devido a posição majoritária de Zuckerberg.

A última proposta será votada em uma reunião de acionistas em maio de 2019.

O preço das ações do Facebook caiu 27% desde julho, e a empresa foi abalada pela saída de altos executivos desde então. Kevin Systrom e Mike Krieger, co-fundadores do Instagram, pularam de navio em setembro devido a uma disputa com Zuckerberg sobre o futuro da plataforma.

O co-fundador do WhatsApp, Jan Koum, deixou o Facebook em abril, entrando em confronto com Zuckerberg sobre privacidade, publicidade e criptografia de dados. O Facebook é proprietário do Instagram e do WhatsApp.

*RT

 

Comentários

comentários