Escola norte-americana permite que garoto de 13 anos, portador de doença rara, participe de aula por meio de uma máquina manipulada à distância;

Sputnik News – Depois de uma luta de quatro anos, o Distrito das Escolas Públicas de Hudson, no estado de Nova York, finalmente concordou em permitir que Keegan Concannon, de 13 anos, use um robô para comparecer às aulas em seu lugar. O equipamento é capaz de interagir com professores e estudantes.

Concannon sofre de um distúrbio genético raro, uma imunodeficiência que o deixa vulnerável a infecções. O acordo para que ele pudesse operar um robô à distância foi obtido depois que um superintendente local se baseou na Lei dos Americanos com Deficiências (ADA na sigla em inglês).

“Esta é uma grande vitória para as famílias de todo o país que têm lutado por estudantes que precisam usar esses dispositivos”, disse a mãe de Keegan, Laura, ao MetroWest Daily News. “Nós temos lutado por um longo tempo. Ele é um jovem inteligente. Ele tem um forte desejo de aprender. Ele só quer fazer parte de seus professores, parte de seus colegas e do ambiente cotidiano que ele sente falta”, acrescentou Laura, relatou à CBS Boston.

No ano passado, Keegan perdeu mais de 100 dias de aula na Escola Secundária de Quinn devido a sua condição. No entanto, mesmo assim, o distrito escolar negou ao aluno o direito de usar equipamentos robóticos que podem ser operados remotamente e utilizam comunicação visual bidirecional para participar das aulas. Segundo sua mãe, o menino usava o e-mail para se comunicar com outros alunos e professores e às vezes esperava por dias por uma resposta.

No entanto, tudo mudou com a chegada do superintendente Hudson Marco Rodrigues, recentemente contratado. Ele estudou a condição de Keegan e se empenhou na luta da família do garoto.

“Continuaremos a trabalhar em estreita colaboração com nossos alunos e famílias e garantir que nossos alunos recebam apoio adequado para obter progresso acadêmico”, escreveu Rodrigues depois que a Procuradoria dos EUA chegou a um acordo com o distrito escolar.


 

Comentários

comentários