Vereadores pedem reabertura dos trabalhos do legislativo para apreciar denúncias de improbidade administrativa contra prefeito do Rio;

Três pedidos de impeachment contra o prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), foram protocolados nesta terça-feira (10) na Câmara Municipal.

O primeiro é de autoria do vereador Átila Nunes (MDB), um do deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL) e outro da Associação de Servidores do Município, que reúne funcionários da Prefeitura do Rio.

Todos atribuem crime de improbidade administrativa a Crivella, por ter utilizado o Palácio da Cidade como local para uma reunião com lideranças evangélicas, no último dia 4, com promessas de vantagens.

O mesmo motivo suscitou, também, um pedido de investigação junto ao Ministério Público (MP), protocolizado por vereadores de oposição.

Para que os pedidos de impeachment sejam apreciados, é preciso que a Câmara interrompa o seu recesso, que vai até o próximo dia 31. Um grupo de vereadores se reuniu nesta terça-feira para reunir o mínimo de 17 assinaturas visando pedir ao presidente da Casa, vereador Jorge Felippe (MDB), que reabra os trabalhos. As informações foram publicadas no blog do jornalista Ancelmo Góis, no jornal O Globo e pela Agência Brasil.

“Hoje dei entrada com pedido de impeachment do prefeito Crivella, pela utilização da máquina da prefeitura para privilegiar seus segmentos mais próximos. E o que é pior, usando critérios religiosos. Promessas inclusive para furar filas de cirurgias. Por esses motivos, pedi que ele seja processado por improbidade administrativa e crime de responsabilidade”, declarou o vereador Atila Nunes, em vídeo divulgado em sua conta no Facebook.

 

Comentários

comentários