Conheça um dos grandes beneficiários de dinheiro sujo na contabilidade do operador de Sérgio Cabral; Nova etapa da Lava Jato pode ocorrer antes do natal; Saiba mais:

*Reportagem Especial

O deputado Christino Áureo (PP) é um dos parlamentares da Assembleia Legislativa mais beneficiados  com repasses de dinheiro do esquema criminoso do governo Sérgio Cabral.

O nome do parlamentar está na lista do operador Carlos Miranda, libertado na última semana depois de participar do programa de deleção premiada da Operação Lava Jato, no Rio de Janeiro. Christino teria recebido R$ 2 milhões, segundo revela o delator.

Delator Carlos Miranda | Foto: Reprodução

Boa parte deste propinoduto jorrou dinheiro na Alerj, principalmente, na eleição de 2014, para favorecer campanhas de deputados estaduais que disputavam reeleição e faziam dobradinha com Marco Antônio Cabral, filho do governador Sérgio Cabral que naquele eleição ganhou um mandato na Câmara Federal.

A lista que consta o nome de 40 políticos sinaliza para uma nova etapa das investigações, com possibilidade de outras prisões antes do natal. O foco da força tarefa no momento é a Assembleia Legislativa, onde, segundo o Ministério Público Federal, funcionava o braço parlamentar da organização criminosa. Pelos menos 65 parlamentares estão sob investigação.

CONFIRA 21 NOMES DA ALERJ COM DESTAQUE NA LISTA DE CARLOS MIRANDA

Edson Albertassi – R$ 1 milhão (Preso)

Andre Lazaroni – R$ 1 milhão

André Santos – R$ 2,5 milhões

Claise Maria – R$ 1,5 milhão

Christino Áureo – R$ 2 milhões

Gustavo Tutuca – R$ 600 mil

Tiago Pampolha – R$ 1 milhão

Graça Matos – R$ 3,5 milhões

José Luiz Nanci – R$ 2 milhões

Marcelino Almeida – R$ 500 mil

Carlos Castilho – R$ 3 milhões

Tio Carlos – R$ 1 milhão

Carlos Osório – R$ 300 mil (Preso)

Marta Rocha – R$ 300 mil

João Peixoto – R$ 1 milhão

Jorge Picciani – (Prisão domiciliar)

Marcos Abraão – R$ 1,5 milhão (Preso)

Marcelo Queiroz – R$ 600 mil

Paulo Mustrangi – R$ 600 mil

Gustavo Trota – R$ 1 milhão

Luiz Martins – R$ 1,2 milhão (Preso)

Tania Rodrigues – R$ 1 milhão

DELAÇÃO DO OPERADOR FOI HOMOLOGADA NO STF

A delação de Carlos Miranda foi homologada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, em 6 de março deste ano.

A relação dos políticos que receberam propina citados pelo delator está no resumo do anexo de número 73.

VEJA COMO FUNCIONAVA O ESQUEMA PARA ARRECADAR DINHEIRO

Miranda relatou que executava a parte administrativa e financeira das campanhas do MDB no Rio de Janeiro e que havia combinações com os fornecedores para que eles subfaturassem as notas apresentadas.

Assim, havia nas notas o pagamento de parte dos valores de forma oficial e a outra parte por fora, em dinheiro, ou por meio de vantagens das empresas doadoras diretamente aos fornecedores. Os repasses eram feitos principalmente por empreiteiras, como é o caso da OAS, Delta, Carioca Engenharia e Andrade Gutierrez.

CARGOS E SOBREVIVÊNCIA EM TODOS OS GOVERNOS

O deputado Christino Áureo é servidor licenciado do Banco do Brasil. Iniciou a carreira política como secretário de Planejamento de Luiz Fernando Pezão, durante mandato de prefeito em Piraí, no Sul do Estado.

Christino Áureo e Sérgio Cabral Foto: Reprodução

O parlamentar é o que se pode definir como camelão. Se adapta a cartilha de qualquer governo, não importa o partido. Foi secretário de Agricultura no governo de Anthony Garotinho, manteve-se no cargo na gestão de Sérgio Cabral e boa parte do governo Pezão.

Sempre beneficiou-se da estrutura da administração estadual nas disputas de mandato na Alerj. Nunca cumpriu mandato integralmente. Sempre licenciou-se para inserir-se na estrutura administrativa do Estado, devido a facilidade de capitalizar apoios eleitorais por meio distribuição de cargos entre lideranças nas cidades do interior. Vários ex-prefeitos, parentes de vereadores ou políticos derrotados em eleições municipais sempre foram abrigados por meio de assessorias.

Apesar desta atração por cargo na administração, nunca deixou mandato por pouca coisa. Sempre ganhou a secretaria de agricultura, por exemplo, de porteira fechada. No governo Pezão, ganhou mais poderes. Foi comandar a secretaria da Casa Civil, órgão que participava de nomeações em cargos de confiança, juntamente com a secretaria de governo.

Ao sair para a Casa Civil, continuou dono da secretaria de Agricultura, porque nomeou o sucessor e ampliou seu leque de domínio para a estrutura do Detran e também da Faetec. Nesses duas autarquias, por exemplo, nomeou as chefias na cidade de Macaé, norte fluminense, sua terra natal.

DISTRIBUIÇÃO DE CARGOS SERIA PARTE DO ACORDO PARA GARANTIR BLINDAGEM

De acordo com investigação do MPF, os cargos na administração estadual era parte do acordo para garantir blindagem a organização criminosa no legislativo. É possível que no aprofundamento das investigações cabos eleitorais e lideranças alinhadas aos investigados, incluindo os beneficiários de nomeações em cargos de confiança, também sejam convocadas para prestar depoimento.

Christino Áureo durante campanha eleitoral em Quissamã, em 2014 | Foto: Reprodução

O deputado Christino Áureo foi eleito para a Câmara Federal em outubro deste ano. Procurado pela reportagem, ele não se pronunciou sobre as investigações.

DENUNCIADO PELO MPRJ POR CONTRATAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS FANTASMAS

De acordo com reportagem de O Globo (24/042017), Christino Áureo foi denunciado pelo Ministério Público do Estado por contratar três funcionários fantasmas na secretaria de Abastecimento, Pesca e Desenvolvimento do Interior. Um das contratas tinha nomeação em cargo de confiança na parte, mas trabalhava como diarista na casa do secretário. Outro contrato em situação semelhante, atuava como motorista particular e uma terceira atuava em uma ONG Rosponsa Habilidade, na época criada por uma esposa de Christino.

A estimativa é que as contratações causaram prejuízo de R$ 192 mil ao erário estadual. Segundo o MP, ele está sujeito a penas que, somadas, podem chegar a mais de dez anos de reclusão.

*Agência VIU!

 

Comentários

comentários