Por 6 votos a 1, plenário da Corte Eleitoral decide que pedido para anular eleição no Município de Quissamã é improcedente;

A Prefeita de Quissamã (RJ), Fátima Pacheco, cumpre nesta quinta-feira (6) seu dia de casamenteira. Está participando de um casamento comunitário na cidade.

Enquanto isso, o seu oponente, Armando Carneiro, estava eufórico na platéia do plenário do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ), à espera do veredicto da Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE), que pedia a cassação da prefeita por abuso do poder de comunicação no pleito de 2016.

O resultado do julgamento foi um banho de água gelada: por 6 a 1, o plenário rejeitou o pedido. O processo era uma espécie de canoa dos afogados. Tinha como fundamento a reportagem do jornal Expresso Regional, sediado em Macaé-RJ.

A oposição, ao perder a eleição, tentou emplacar um“sambarilove”  na justiça eleitoral argumentando que o semanário favorecia a candidatura de Fátima Pacheco em 2016, quando, na verdade, ela foi alvo de várias críticas em edições do jornal. Em primeira instância a justiça eleitoral já havia indeferido, mas diante do recurso no TRE-RJ, a Corte manteve a decisão.


 

Comentários

comentários