A eficiência da Polícia Federal poderá arrastar prefeitos, candidatos e empresários para o camburão;

Reportagem SBT/Agosto de 2017

O serviço de inteligência de Polícia Federal não terá grande trabalho para monitorar as ligações entre empresários, prefeitos e candidatos nas eleições deste ano. A tarefa deverá se concentrar no combate ao uso de caixa 2, que continua operando já nesta fase de pré-campanha

Empresários que foram presos em tempos recentes já estariam atuando por meio de prepostos e financiando candidaturas. A turma é da pesada.

A Polícia Federal já teria fortes indícios de que esse tipo de relação promíscua estaria se dando, por exemplo, em cidades do Norte e Noroeste do Estado do Rio de Janeiro, inclusive com a participação de prefeitos. Para saber nomes, basta linkar candidatos, prefeitos e origem do dinheiro. É a máxima extraída da novo testamento: me digas com quem andas e eu lhe direi quem és.

Assolado por uma crise econômica e de autoridade sem precedentes, o Estado do Rio de Janeiro promete ser um terreno fértil para os negócios sujos nesta eleição. Com a proibição de financiamento privado, o dinheiro promete jorrar por meio de caixa 2. Isso, talvez, explique porque o monitoramento da polícia começa cedo.

JOGO PESADO

O modus operandi de algumas organizações que operam no âmbito da administração pública e que ao longo dos anos se notabilizaram no financiamento de campanha é algo assustador.

A título de ilustração, é possível citar o empresário Fernando Trabach Gomes, preso na operação Caça-Fantasma em agosto de 2017. (VÍDEO ACIMA)

Trabach Gomes foi flagrado fazendo ameaças e tentando corromper agentes públicos em escutas telefônicas, realizadas com autorização da Justiça. Segundo as investigações, Trabach usava um “fantasma” para fraudar licitações, lavar dinheiro e sonegar impostos.

Atualmente, Trabach está afastado dos holofotes, mas continuaria sendo rei em algumas cidades do Norte e Noroeste Fluminense, principalmente pelas bandas de Bom Jesus do Itabapoana, Itaperuna e São Francisco do Itabapoana.

 

Comentários

comentários