Ameaças contra repórteres e cárcere durante cerimonial expõe face autoritária do governo no dia de estreia; Leia mais:

A repercussão da posse do presidente brasileiro Jair Bolsonaro está sendo ofuscada na mídia internacional pelo incidente com a imprensa.

Durante a posse do presidente na terça-feira (1º), repórteres e correspondentes internacionais ficaram confinados em uma sala sem cadeiras e foram obrigados a chegar 7 horas da manhã para uma cerimônia marcada para o início da tarde. No local não havia cadeiras e a imprensa só tinha acesso a um banheiro e água potável.

É desastroso para um governo, logo em seu primeiro dia, emergir para a opinião pública internacional com perfil autoritário, submetendo jornalistas a cárcere privado, tendo em vista que os repórteres foram proibidos de ter contato com o público e os fotógrafos chegaram a sofrer ameaças de serem alvejados por atiradores de elite, caso empunhassem os equipamentos para obter imagens.

Jornal El Periodico
Foto: Reprodução

O Jornal El Periódico da Catalunya, com sede em Barcelona, divulgou uma reportagem sobre nota de protesto da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), que definiu o episódio como “tratamento antidemocrático” aos profissionais da mídia.

Na reportagem, o periódico espanhol traça um perfil de Bolsonaro como “capitão da reserva do Exército, que defendeu a  ditadura militar que prevaleceu no Brasil de 1964 a 1985”.

Jornal La Nacion
Foto: Reprodução

Já o jornal argentino La Nacion deu ênfase que o episódio sinaliza promessa de maior tensão entre o governo e a imprensa e lembra os ataques de Bolsonaro contra o Jornal Folha de São Paulo, durante a campanha eleitoral, em função de reportagens investigativas divulgadas pelo matutino.

LEIA TAMBÉM:

Bolsonaro alimenta ódio explícito aos jornalistas

A Folha de São Paulo desvendou um esquema empresarial para financiar propagandas favoráveis ao então candidato do PSL na disputa presidencial.

O jornal argentino, assim como o El Periódico, se referem a Jair Bolsonaro como um político de extrema-direita, termo que a imprensa brasileira sempre evitou.

No Brasil, a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e a Associação Brasileira de Imprensa (ABI) também divulgaram nota de protesto sobre o episódio.

 

Comentários

comentários