Delator dos Senadores Fernando Collor e Aécio Neves na Lava-Jato,  doleiro desta vez caiu na Operação Efeito Dominó e há indícios de serviços prestados ao tráfico;

Foto: Reprodução

O doleiro Carlos Alexandre de Souza Rocha, delator da Lava-Jato e conhecido como Ceará, foi um dos oito presos nesta terça-feira (15) na Operação Efeito Dominó. Ele já havia delatado parlamentares conhecidos e estaria em uma rede que repassaria dinheiro do tráfico de drogas a políticos.

Ceará fechou um acordo de colaboração premiada com Procuradoria-Geral da República (PGR), e que foi homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Ele trabalhava com o doleiro Alberto Youssef, e foi detido como parte de uma operação em 6 Estados e no Distrito Federal, deflagrada nas primeiras horas do dia.

Anteriormente, Ceará havia relatado ter feito entregas de dinheiro aos senadores Fernando Collor de Mello (PTB-AL), Aécio Neves (PSDB-MG), Renan Calheiros (PMDB-AL) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP). O que ele escondeu era a sua ligação com a lavagem de dinheiro do tráfico internacional de drogas, o que pode fazê-lo perder os benefícios de sua delação.

De acordo com o delegado da Polícia Federal Roberto Biasoli, responsável pela operação desta terça-feira, há fortes indícios de que dinheiro em espécie, oriundo do tráfico de drogas, estaria indo parar na mão de políticos.

“Só pelo que nós conseguimos levantar com o material apreendido, do ano de 2014 a 2017, teriam sido negociadas 27 toneladas de cocaína, isso com um lucro de aproximadamente US$ 140 milhões”, afirmou Biasoli, referindo-se ao esquema comandado por Luiz Carlos da Rocha, o Cabeça Branca, um dos maiores traficantes da América do Sul e que foi preso em 2017.

Ceará e os demais presos teriam relação direta com Cabeça Branca, atuando tanto junto a políticos quanto a traficantes. Em 2014, o doleiro relatou ter levado dinheiro a Collor, Aécio, Renan e Randolfe – os três primeiros negaram o repasse, o último sequer foi investigado porque Youssef desmentiu o ex-parceiro.

*Agência VIU! com Sputnik News

Comentários

comentários