Subsidiária se tornou conhecida no Brasil ao ser citada no escândalo da Operação Lava Jato;

Da redação

A Petrobras anunciou na terça-feira (7) que começou a tomar medidas para vender sua refinaria em Pasadena, no Estado americano do Texas. A instalação se tornou conhecida no maior escândalo de corrupção no Brasil envolvendo a estatal.

A petrolífera acrescentou que sua subsidiária americana, a Petrobras America Inc, abriria uma fase não obrigatória para que as empresas interessadas comunicassem sua disponibilidade para participar das negociações da unidade de processamento, com uma capacidade de 110 mil barris por dia.

ENTENDA O CASO

A refinaria de Pasadena foi objeto de várias investigações no Brasil, sob suspeita de envolvimento no pagamento de subornos a executivos da Petrobras como resultado da compra da instalação, em 2006.

A companhia petrolífera brasileira pagou naquele ano US$ 360 milhões por metade da refinaria de Pasadena, mais de oito vezes o que o proprietário anterior, a Astra Oil, uma unidade da empresa belga Astra Transcor Energy, pagou pelo complexo um ano antes.

Para o ano de 2012, a Petrobras havia investido US$ 1,18 bilhão na planta, incluindo o custo de comprar a metade remanescente da Astra após uma disputa legal entre as empresas.

A compra da refinaria foi um dos pontos de interesse dos promotores que estão por trás da Operação Lava Jato, focada na Petrobras, após a petrolífera perder bilhões de dólares por corrupção generalizada em dezenas de contratos.

A administração atual disse que a empresa foi vítima em todos os casos de corrupção. Procuradores federais do Brasil apresentaram acusações de corrupção e lavagem de dinheiro em dezembro passado contra 11 pessoas relacionadas ao acordo com a Pasadena.

O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou que o acordo causou perdas à empresa por mais de US$ 580 milhões.

A empresa petrolífera brasileira também disse nesta terça-feira que também venderá as outras empresas relacionadas ao complexo de refinação de petróleo: a PRSI Trading LLC e a PRSI Real Property Holdings LLC.

*Sputnink News

 

Comentários

comentários