País que está se retirando da Opep em janeiro mira em vários projetos de energia no território norte-americano; Leia mais:

Dias depois do Qatar anunciar a intenção de se retirar da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) em janeiro de 2019, sua gigante estatal de petróleo estuda promover grandes investimentos no setor de energia dos EUA.

Ao ser entrevistado a jornalistas em Doha, o ministro de Energia Saad al-Kaabi afirmou que a Qatar Petroleum planeja um investimento de US$ 20 bilhões em vários projetos no território norte-americano nos próximos cinco anos.

Ele destacou que o maior interesse é nos projetos ligados ao fornecimento de gás natural liquefeito (GNL) e gás natural, bem como à produção de petróleo bruto.

A empresa planeja revitalizar o terminal Golden-Dragon LNG com investimentos de bilhões de dólares no Texas. A Qatar Petroleum possui 70% do projeto, com as multinacionais de energia americanas ExxonMobil e ConocoPhillips dividindo 30%.

SAÍDA DA OPEP PREVISTA PARA JANEIRO

No início deste mês, o Qatar, que é o maior exportador mundial de gás natural liquefeito, anunciou que deixaria de integrar o cartel de petróleo da Opep, atualmente dominado pela Arábia Saudita. A saída está prevista para o dia 1º de janeiro, o que deverá encerrar quase 60 anos de participação na organização.

Autoridades do Qatar afirmaram que a decisão não teria um impacto significativo nos planos de produção de petróleo da Opep, já que a participação do país é pequena em comparação com outros membros.

A decisão de deixar o maior cartel de petróleo do mundo foi supostamente desencadeada pelos ambiciosos planos de se concentrar no desenvolvimento de seu setor de gás natural. O país busca aumentar sua produção anual de GNL de 77 milhões para 110 milhões de toneladas.

MECANISMOS DOS EUA PARA PUNIR A OPEP

Outra razão explicitada por fontes da indústria em recente entrevista à agência Reuters e que explicaria a decisão, é a preocupação do Catar de que sua participação no cartel de petróleo seja um obstáculo para suas ambições nos EUA.

Em novembro deste ano, a Bloomberg informou, citando fonte do governo dos EUA não identificada, que o Departamento de Justiça norte-americando estava estudando a possibilidade de aplicar sua legislação antitruste, apelidada de NOPEC (No Oil Producing and Exporting Cartis Act).

A lei está estruturada para permitir que o governo dos EUA reduza o poder da OPEP e até mesmo processe a organização por seus esforços para controlar a produção e os preços do petróleo.

*Agência VIU! com RT

 

Comentários

comentários