A cartilha do jornalista Fernando Leite, um ex-amigo multifacetado de Anthony Garotinho, que agora ataca os professores da Uenf;

O jornalista e ex-deputado estadual Fernando Leite é um daqueles que eu classifico de ex-amigos ressentidos de Anthony Garotinho. Tendo sido alçado ao seu único cargo de alguma significância pela capacidade política do ex-amigo de angariar votos até para postes, Fernando Leite, sempre que pode e tem espaço, desanca todo o seu ressentimento no seu ex-amigo que, curiosamente, não parece ter a mesma disposição para rebater suas críticas.

Fernando Leite posa ao lado de Anthony Garotinho e de outro ex-amigo ressentido, o ainda deputado estadual Geraldo Pudim

Agora, retornando a um cargo comissionado na prefeitura de Campos dos Goytacazes, onde já ocupou alguns ao longo dos anos, Fernando Leite aproveitou uma deixa de seus entrevistadores no jornal “Folha da Manhã” para também mostrar sua capacidade de debulhar ressentimento contra os professores da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) que, segundo, ele insistem em fazer greves que só punem os estudantes e ganham salários acima de outros professores (ver imagem abaixo).

Fernando Leite

O curioso é que Fernando Leite “esqueceu” de informar  aos leitores da Folha da Manhã (provavelmente porque seus entrevistadores providencialmente escolheram olvidar isto) que ao longo dos últimos 8 anos, ele esteve posicionado estrategicamente dentro dos (des) governos de Sérgio Cabral e Luiz Fernando Pezão, ocupando cargo comissionado  na vice-governadoria, do qual saiu exonerado apenas dias antes de anunciar que estaria assumindo uma subsecretaria no governo do jovem prefeito Rafael Diniz (PPS) (ver imagem abaixo).

Fonte: Blog do Pedlowski

Como ocupante de cargo comissionado do (des) governo Pezão ele deveria saber muito bem que a longa greve que ocorreu na Uenf deu-se porque os professores e servidores da universidade chegaram a ficar com 4 meses de salários atrasados. Esse problema o agora detrator do movimento docente da Uenf não deve ter sentido no bolso, visto que os ocupantes de cargos DAS do (des) governo Pezão jamais ficaram desprovidos de seus salários ao longo de 2017.  Assim, eu diria que é fácil criticar, comparecendo ou não ao seu local de trabalho.

Por outro lado, é quase certo que se a informação de que Fernando Leite estava ocupando um cargo de DAS na secretaria de governo fosse de domínio público é bem provável que a reitoria e os sindicatos o tivessem acionado para que participasse do esforço político de fazer com que o (des) governador Pezão parasse de asfixiar financeiramente a Uenf. Entretanto, ao longo dos 6 meses de greve desconheço qualquer visita que Fernando Leite tenha feito ao campus Leonel Brizola para ver de perto o processo de destruição posto em curso pelo (des) governo onde ele possuía um cargo de confiança.  Pelo menos nisso, há coerência, pois periquito que come dificilmente briga com o dono do milharal.

Dada a sua ficha pregressa de ressentido profissional, dificilmente poderíamos esperar qualquer coisa diferente de Fernando Leite. Não há nenhuma surpresa em suas declarações, seja em relação a Anthony Garotinho ou em relação aos professores da Uenf.  Ainda bem que nunca precisamos e nem precisamos contar com seus préstimos, pois de onde nada se espera é que não sai nada mesmo.

Rafael Diniz e Fernando Leite: Fonte: Blog do Pedlowski

Finalmente, é interessante notar para os que não possuem muita memória da história recente da política campista que Fernando Leite é servidor público municipal da Secretaria de Comunicação, onde entrou pela mãos e divina graça do ex-prefeito Zezé Barbosa, avô do jovem prefeito Rafael Diniz, com quem rompeu para se unir a Anthony Garotinho. Agora, ao ocupar um cargo comissionado na gestão de Rafael Diniz, parece estar fechando um ciclo de rupturas e retornos. Ou quiçá começando outro. A ver!


 

Comentários

comentários