VÍDEOS: Diante da impunidade de outros episódios, mineradora Vale tinha uma espécie de autorização para protagonizar mais uma desgraça; Leia mais:

Por diversas vezes apontei que a impunidade garantida à mineradora Vale no caso do rompimento da barragem de Fundão em Bento Rodrigues (o tenebroso Tsulama da Samarco) era uma espécie de autorização para a repetição de novos incidentes ambientais em Minas Gerais.

Como previsto, nesta sexta-feira (25) o estado de Minas Gerais foi palco de um novo e grave incidente ambiental envolvendo uma barragem de rejeitos pertencente à Vale, agora no município de Brumadinho que se situa na região metropolitana de Belo Horizonte.

Vista aérea da área do rompimento da barragem de rejeitos da mineradora Vale em Brumadinho (MG) – antes e depois do incidente desta sexta-feira.

Imagens: Rede Record MG

Segundo informou o jornal “O Tempo”, a Vale afirmou que possui três barragens na região de Brumadinho associadas à Mina do Córrego do Feijão. Já ao jornal Folha de São Paulo, a Vale informou que capacidade de estocagem estimada no sistema de barragens existente em Brumadinho seria de de 12,7 milhões de metros cúbicos de rejeitos.

Como já ocorreu no caso de Mariana, vídeos mostrando a situação criada pelo rompimento desta barragem da Vale já estão circulando nas redes sociais, o que facilitará a disseminação das informações acerca da real gravidade de mais este incidente ambiental (ver vídeo abaixo).

Imagem: Whatsapp via Canal VIU! – Youtube

Segundo o Portal BHAZ, a Polícia Militar de Minas Gerais informou que o rompimento da primeira barragem sobrecarregou provocou a ruptura de um segundo depósito, ampliando a gravidade do incidente ambiental de Brumadinho. Segundo o Portal BHAZ, a região central de Brumadinho está sendo evacuada, pois o caminho da lama passa pelo rio que corta a cidade e há possibilidade de inundação.

Imagem: Rede Record

As primeiras informações confirmam que, como ocorreu em Bento Rodrigues, áreas habitadas próximas à área do rompimento foram atingidas, o que está obrigando ao Corpo de Bombeiros a agir para retirar pessoas que estão presas dentro da lama. Segundo informações do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais há pelo menos 200 pessoas desaparecidas na região atingida pela rejeitos que vazaram dos reservatórios da Vale, o que representa uma perda humana sem precedentes em acidentes de mineração, mesmo para os padrões brasileiros.

Como se vê, a impunidade com que foi brinda no caso do Tsulama da Samarco acabou servindo para que a Vale não realizasse o devido esforço para repetir novos incidentes ambientais na grande quantidade de depósitos de rejeitos no território de Minas Gerais. Agora, vamos ver como se comportarão as autoridades estaduais de Minas Gerais.

 

Comentários

comentários