Arquivos roubados sobre os atentados de 11 de setembro são divulgados em capítulos, mas com revelações ainda banais;

Foto: AFP

Um grupo de hackers está ameaçando comprometer o governo dos EUA com informações sensacionalistas, até então desconhecidas sobre os ataques às Torres Gêmeas em  11 de setembro de 2001.

O grupo denominado Dark Overlord roubou arquivos de documentos sobre o ataque terrorista e publicou chave de decodificação para um segundo cache de dados altamente confidenciais.

Pelo visto, os hackers estão sendo motivados por razões financeiras, ao invés da busca da verdade, pois alegam que o governo americano pode comprar dados potencialmente comprometedores.

Ao culpar as agências de segurança dos EUA de impedi-los de “falar a verdade”, o Dark Overlord desbloqueou o novo cache de dados depois de conseguir pagamentos de um público curioso para ter acesso.

“Não podemos permitir que a grande mídia guarde em segredo a verdade por mais tempo. Devemos garantir que a propaganda dela seja esmagada pelas verdades com as quais estamos lidando hoje”, diz o comunicado dos hackers.

O “Layer 2”, segundo pacote de dados, possui mais de 7.500 arquivos. Assim como a primeira remessa, que foi desbloqueada na semana passada, esse lote não forneceu nenhum material sensacional relacionado, por exemplo, a uma ocultação de informação sobre os ataques pelo governo dos EUA.

Os documentos recém-publicados correspondem, em grande parte, à correspondência entre seguradoras que estavam lidando com as reivindicações decorrentes da tragédia.

Trata-se de discussão sobre que danos deveriam ser considerados, analisando opções que vão de companhias aéreas à Autoridade de Aviação Federal dos EUA e terroristas. O Dark Overlord também especulou sobre se o então presidente George W. Bush ou a família real saudita tinha conhecimento prévio dos ataques, mas essa opinião não tem evidências de envolvimento do governo.

O grupo de hackers afirma ter obtido milhares de documentos de uma empresa de advocacia dos EUA. Eles dividiram todos os dados em cinco camadas, com informações mais sensíveis e confidenciais por camadas.

Eles ofereceram a todos os interessados a oportunidade de obter os documentos pagando com bitcoin, mas a quantia é desconhecida. O grupo foi banido do Twitter e do Reddit, bem como sua mais recente plataforma blockchain de código aberto Steemit.

O primeiro grupo de dados incluiu principalmente interrogatórios do FBI com funcionários da American Airlines e parentes de passageiros dos aviões sequestrados, bem como acordos de confidencialidade e pagamentos de seguro.

No entanto, os hackers afirmam ter uma terceira remessa, que contém até 8.279 arquivos, ameaçando “sepultar” o governo dos EUA e superar o “melhor trabalho de Snowden”.

*Sputnik News

 

Comentários

comentários