Por pressão dos EUA, instituição se nega a liberar US$ 1,2 bilhão em ouro do país que enfrenta bloqueio econômico;

O Banco da Inglaterra está se apropriando de US$ 1,2 bilhão (R$ 4,5 bilhões) em barras de ouro da Venezuela. O país que atravessa dificuldades econômicas em decorrência do bloqueio econômico imposto pelos EUA tenta resgatar a quantia, mas o banco se nega a liberar.

Uma fonte anônima citada por uma reportagem da agência Bloomberg informou que o governo venezuelano tenta resgatar o ouro desde dezembro do ano passado, mas a quantia está retida por pressão de altos funcionários do governo norte-americano, entre eles o secretário de Estado Mike Pompeo e o conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton.

A medida tenta agravar a crise econômica e sociais do país para fomentar um golpe contra o governo de Nicolás Maduro. A situação interna se agravou depois que o presidente do parlamento venezuelano, Juan Guaidó (um político inexpressivo, mas com apoio do governo norte-americano) se autoproclamou presidente, conseguindo reconhecimento da Casa Branca e de países alinhados na América Latina.  

Mas o governo Maduro ainda tem forte poder de mobilização popular e apoio das Forças Armadas.

As investidas do governo norte-americano contra o governo da Venezuela é duramente criticada pela Rússia e China, que apontam intromissão dos EUA em assuntos internos de um país soberano.

A Venezuela tem uma das maiores reservas de petróleo do mundo, mas não consegue vender a produção por conta do bloqueio econômico e também não consegue acesso ao mercado internacional.

Está conseguindo negociais apenas com parceiros, como Rússia, China, Cuba, Índia, Turquia, Irã e países da África.

*Agência VIU!

 

Comentários

comentários