Fundos de Investimentos são os maiores credores do governo Federal, que financia a farra com emissão de Títulos do Tesouro Nacional;

Neste primeiro ano do governo Jair Bolsonaro, a dívida pública do Brasil pode chegar a R$ 4,3 trilhões, um nível recorde. A estimativa foi divulgada nesta segunda-feira (28) pela Secretaria do Tesouro Nacional, vinculada ao Ministério da Economia.

Para honrar esses compromissos, o governo busca recursos no mercado financeiro, por meio da emissão de títulos da dívida pública. Os compradores desses papéis, posteriormente, são compensados com correções que podem estar vinculadas a taxa Selic, inflação, câmbio ou ser prefixada com antecedência.

O endividamento financia a máquina do governo, mas é uma tragédia para a Previdência Social, que tem boa parte da arrecadação drenada para pagar juros das dívidas da União.

Os recursos são desviados por meio da Desvinculação de Receitas da União (DRU), mecanismo criado no governo Fernando Henrique Cardoso.

MAIORES CREDORES DA DÍVIDA PÚBLICA

1 – Fundos de investimentos (26,91%).

*O estoque desse grupo passou de R$ 967,19 bilhões para R$ 1,003 trilhão entre novembro e dezembro.

2 – Fundos de Previdência, com uma fatia de 24,96%,

3 – Instituições financeiras, com 22,74%,

4 – investidores estrangeiros (11,22%),

5 – Governo (4,24%)

6 – Seguradoras (4,11%)

7 – Outros (5,81%)

*Agência VIU!

 

Comentários

comentários