Segundo dados do IBGE, números de trabalhadores na informalidade também são expressivos;

Brasil volta a ter aumento no índice de desemprego. Os números que vinham em queda desde o início do ano passado aumentaram no último trimestre, segundo os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) por meio da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) contínua.

A taxa de 12,2% aponta que 12,7 milhões brasileiros estão em busca de emprego neste momento.  O índice divulgado é o trimestre móvel, ou seja, todo mês se atualiza somando-se aos dois anteriores. O resultado divulgado nesta quarta-feira (28) se refere aos meses de novembro e dezembro de 2017, além de janeiro de 2018.

Apesar da variação no índice de desemprego no Brasil, o IBGE declarou que o aumento é causado por um efeito sazonal, ou seja, temporário e esperado para a época do ano.

Desde janeiro do ano passado, o número de pessoas empregadas no país aumentou em 1,8 milhões de pessoas. No entanto, a informalidade é parte expressiva desse total.

Dos postos de trabalho criados, apenas 317 mil poderiam ser considerados trabalhos formais. Ao menos 986 mil são de trabalhadores autônomos, 581 mil pessoas sem carteira assinada, 79 mil trabalhadores familiares auxiliares e mais 267 trabalhadores domésticos.

Quando comparado com o mesmo período do ano passado, houve um aumento de 500 mil postos de trabalho sem carteira assinada.

Para o IBGE, essa situação demonstra uma queda importante no contingente de trabalho com carteira assinada em relação ao mesmo período, em 2017. Hoje, o instituto estima que haja 33,3 milhões de empregos formais no país, o que aponta uma queda no emprego formal de 1,7% em relação ao ano anterior.

*Agência Sputnik


 

Comentários

comentários