Para blindar governo estadual, comando dos Bombeiros do Rio estaria monitorando páginas de soldados nas redes sociais;

A quatro meses do primeiro turno das eleições, o clima de censura toma conta dos quartéis do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, numa tentativa de blindar o governo estadual das críticas dos servidores. Diretores de unidades de saúde da corporação teriam alertado as suas equipes de que as redes sociais dos bombeiros estão sendo monitoradas e qualquer comentário em tom político, especialmente contra a gestão de Luiz Fernando Pezão (MDB) teria que ser apagado.

Os bombeiros estão chamando a medida de “ato de censura”. Segundo a fonte que conversou com o Portal Viu!, a ordem teria partido do comandante Geral da corporação, coronel Roberto Robadey, que teria se reunido há pouco tempo com os diretores das unidades e dado as orientações para eles vigiarem as redes sociais dos seus subordinados. A corregedoria também teria sido acionada para a missão. VÍDEO:

Fonte: Claudia Freitas – Youtube

“Em ano eleitoral, é inaceitável não podermos expor as nossas opiniões e escolhas por conta de um governo corrupto”, disse um  bombeiro lotado em uma das unidades de saúde. Segundo ele, a determinação já teria chegado no Hospital Central da corporação, que fica no bairro do Rio Comprido.

Pelas normas internas do Corpo de Bombeiros, o servidor não pode se manifestar publicamente sobre assuntos políticos enquanto estiver fardado, assim como não pode participar de manifestações. Além disso, não pode contribuir para que sejam publicados fatos, documentos ou assuntos que venham prejudicar a imagem da instituição.

 

Comentários

comentários