Com atuação em O Debate e fundador da revista Visão Social, jornalista lutava contra um câncer de pulmão;

O jornalista Martinho Santafé foi o campista mais macaense que já conheci. Ele nasceu na cidade de Campos dos Goytacazes (RJ), mas amava a cidade de Macaé com todas as suas contradições.

Migrou no tempo em que a indústria do petróleo ainda era uma promessa. Tornou-se um ativista em defesa do meio ambiente. Atuou no jornal Folha da Manhã, em Campos; jornal O Debate (Macaé), e fundou a revista Visão Social.

Especializou-se na cobertura do mercado petrolífero, o que permitiu conhecer os danos causados por esta indústria extrativista, o que possivelmente o levou a ser um defensor do desenvolvimento sustentável. O petróleo que trouxe riqueza atraiu violência, miséria e fez de Macaé uma cidade partida.

“Quando cheguei à cidade em agosto de 1981, havia muita expectativa e um enorme otimismo em relação a riqueza que se delineava com a indústria do petróleo, tendo em vista o gigantesco potencial da Bacia de Campos e os avanços tecnológicos alcançados pela Petrobras, – o que acabou se confirmando”, escreveu recentemente.

“Não havia espaço para uma visão mais crítica, algo que, em se tratando de jornalismo bem feito, é fundamental. Pois bem, a riqueza chegou avassaladora para o bem e para o mal. Muito dinheiro, mas também miséria, violência, degradação ambiental, má gestão, desperdício de recursos etc. Criou-uma cidade partida, dividida em dois territórios distintos que pouco se dialogam”, destacou em janeiro deste ano.

Iniciar o ano com profundo sentimento de gratidão com os amigos que nos últimos três meses têm me prestado ieeestrito…

Gepostet von Martinho Santafé am Sonntag, 30. Dezember 2018

Fonte: Facebook

Artista plástico, amante da leitura e da poesia, o jornalista também teve o tabagismo como companhia inseparável.

Recentemente foi diagnosticado com um câncer no pulmão. Nesta terça-feira (5), o jornalista faleceu na cidade de Campos dos Goytacazes, onde estava hospitalizado. Seu desejo era ser sepultado em Macaé, mas por decisão familiar, o corpo será sepultado em Campos dos Goytacazes nesta quarta-feira (6).

 

Comentários

comentários