O Estado do ES expressa a contradição que assola o país: elegeu um governador do PSB, uma vice-governadora negra, um senador gay e deu  votação expressiva a Bolsonaro; Leia mais

É IMPOSSÍVEL, NA SITUAÇÃO ATUAL, EM QUE VIVEMOS EM UM PAÍS DIVIDIDO ENTRE A DEMOCRACIA E O FASCISMO DITATORIAL, às vésperas de um segundo turno de eleição para cargos majoritários e, ainda, correndo o grande risco de ver destruída sua democracia, não opinar. Mesmo que seja para dizer que não falei de direitos humanos, pelo menos.

Ontem, uma amiga me chamou a atenção para um artigo publicado no jornal A GAZETA de Vitória, em que um artigo, em síntese, questiona o seguinte: no texto escrito por Vitor Vogas, “Contradições capixabas”, ele destaca as contradições, posições e declarações preconceituosas de Bolsonaro, que no 1º turno das eleições teve esmagadora maioria de votos no Estado. Porém, o que mais me chamou a atenção no artigo, e eu já havia pensado bastante sobre isso, é o fato de o Espírito Santo ser um estado da federação bastante sui generis, pois com maioria de direita elegeu uma vice-governadora negra, um senador gay, casado e com um casal de filhos adotivos e um deputado cego.

O Brasil é um país onde negro vota contra negro, gays e LGBTIs não se unem majoritariamente e as maiorias/minorias são perseguidas e mortas, mas, ainda assim, corremos o risco de ter um candidato fascista e racista, homofóbico e anti-direitos humanos eleito para PRESIDENTE.

Nossa luta é dura! A democracia, vejo-a esmorecendo-se, em opiniões e decisões por escolhas as mais contraditórias, como contraditório é o país em que vivemos, desde sua colonização.

Brilhante um texto de Arnaldo Antunes, que ele diz não ser “um poema”, mas sim “um desabafo”, e que faz uma homenagem ao Môa, capoeirista assassinado por fascistas seguidores do candidato Jair Bolsonaro, em Salvador (BA). Este texto nos fala tudo, define nosso Brasil de maneira brilhante, objetiva e cruel. Sim o texto é um desabafo grave e cruel, pois nosso Brasil ou, pelo menos, a maior parte de sua população, arraigada ao preconceito e à ignorância e à brutalidade o personifica. CONFIRA:

Fonte: Youtube

O Espírito Santo é o microcosmo disso tudo, nos diz o articulista Vitor Vogas de A GAZETA. As contradições estão espalhadas, sempre estiveram. Encontraram, agora, um momento de sair do armário, onde para sempre deveriam ter ficado. Vi no Facebook, várias postagens, citando o mesmo Arnaldo Antunes, ora citando Brecht, ora outras que defenderam a democracia e ficaram nos anais da história. Os fascistas, estes não passarão!

Volto a Arnaldo Antunes por este estar mais próximo da discussão aqui:

“Aqui / hoje / eu vi / aterrorizado / um artista assassinado / Moa do Catendê, /mestre de capoeira, / autor do Badauê — / por conta de uma divergência política num bar / da Bahia”.

 

Comentários

comentários