Livro dos Orixás: Deuses Iorubas na Africa e Novo Mundo, de Pierre Verger já reeditado; Leia e saiba mais:

Com prefácio de Mãe Estela de Oxóssi,  Ialorixá do Axé Opô Afonjá, já está à venda nas livrarias a reedição ampliada e reilustrada de Orixás: Deuses Iorubás na África e No Novo Mundo. Trata-se de edição de luxo, capa dura, da Companhia das Letras, 2018, cujo conteúdo é de extrema importância para entendermos a diáspora africana no Brasil afro-brasileiro, tendo acesso a uma pesquisa feita primeiramente em África e depois na Bahia e em outras regiões do Brasil.

LANÇAMENTO! A nova edição do livro ‘Orixás, Deuses Iorubás na África e no Novo Mundo’, de Pierre Fatumbi Verger vai ser…

Publiée par Fundação Pierre Verger sur Lundi 1 octobre 2018

Em síntese, trata-se de uma obra que narra as constantes viagens de Pierre Verger à África entre os anos de 1948 e 1965 e apresenta textos e ilustrações que comentam e mostram certos aspectos do culto aos orixás, deuses dos iorubás, em seus lugares de origem, na África (Nigéria, ex-Daomé e Togo) e no Novo Mundo (Brasil e Antilhas), para onde foram levados, durante cento e cinquenta anos (1700 a 1850), como escravos.

Segundo a Fundação Pierre Verger “A nova edição apresenta uma outra novidade: vem acompanhada de uma Linha de Produtos inédita e limitada intitulada “Orixás”, especialmente desenvolvida com o objetivo de expandir a experiência relacionada à temática. A criação é da designer Juliana Rabinovitz, que integra a equipe de comunicação da campanha 30 anos, e é responsável pela identidade visual da mesma. Toda a linha estará à venda, assim como o livro, nos locais de lançamento pelo Brasil, e também nos canais oficiais da Fundação Pierre Verger.

A CAMPANHA DOS 30 ANOS

Além da reedição do livro, a celebração terá ações até 2019 que contemplam lançamento do Selo Comemorativo, exposições, doações de fotografias, lançamentos de livros, seminários, workshops, ambientações em locais de acesso público e intervenções artísticas, como uma exposição a céu aberto no Dique do Tororó. Clique aqui e acesse o site da Fundação

Publiée par Fundação Pierre Verger sur Jeudi 9 août 2018

Após ser apresentada ao público baiano em sua essência, a nova edição de Orixás segue para ser lançada também em outras capitais, sempre acompanhado de uma exposição fotográfica. Museu da Fotografia em Fortaleza, Ceará; em Curitiba, no Museu Oscar Niemeyer; São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, entre outras, com trabalhos que desvendam que o que tinha de grandioso tinha também de profícuo, na diversidade de suas temáticas, não fosse ter Verger construído uma vasta documentação visual em muitos países e em todos os continentes.

À frente da Fundação Pierre Verger desde 2001, o presidente Gilberto Sá, destaca o trabalho realizado na instituição ao longo desses 30 anos e as principais ações para o futuro. “Como projeto para novas ações desejamos montar em nossa sede um Memorial, além de manter as atividades das mostras de fotos no Brasil e no exterior, e a publicação de livros, inéditos e em novas edições. Mas o que mais desejo é que a cada dia esta Fundação seja uma fonte para pesquisadores de todo o mundo neste tema de África-Brasil, sua história e seu desenrolar, ainda muito por estudar, e a fotografia como documento para entendermos a história da humanidade. Esta é uma Fundação para o conhecimento dos povos e do mundo e sua base está em preservar, divulgar, pesquisar, e manter vivo a obra e o pensamento de Pierre Verger”.

A fundação foi presidida pelo próprio Verger até sua morte e, depois, pelo seu grande amigo Carybé. Após a nomeação de Gilberto Sá como presidente, uma de suas primeiras grandes realizações foi, em 2002, com as celebrações do centenário de nascimento de Pierre Verger, a realização da exposição itinerante O Olhar Viajante de Pierre Fatumbi Verger, pelas principais capitais brasileiras, em todas as regiões do país.

É grande a expectativa em torno deste necessário e fabuloso projeto. AXÉ! MOTUMBÁ!

 

Comentários

comentários